7 maneiras de ajudar os refugiados com trabalho voluntário

Tempo de leitura: 6 minutos

Quando cerca um milhão de refugiados migraram para a Europa em 2015, o mundo começou a tomar conhecimento de um problema que tem crescido constantemente diante de nossos olhos.

Há dez anos atrás, 38 milhões de pessoas deixaram suas casas por causa da guerra, pobreza, violações dos direitos humanos ou perseguição. Agora, esse número está estimado em mais de 65 milhões, o equivalente à população da França. 

De toda forma, essa questão não se limita apenas ao continente europeu. Nos últimos cinco anos, as solicitações de refúgio cresceram 2.868% aqui no Brasil. Em abril de 2016, o número total de imigrantes chegou a 8.863, o que representa um aumento de 127%.

O trabalho voluntário é uma das melhores formas de adaptar essas pessoas à sua nova realidade. Pensando nisso, trouxemos algumas maneiras de ajudar os refugiados, mesmo sem sair do país.

1. Hospede refugiados e requerentes de asilo em sua casa

Segundo dados da ACNUR, há uma grande distribuição dos refugiados pelo país, sendo a maior parte concentrada no Sul do Brasil, com 35% do total. Essas pessoas se sentem muito perdidas e desamparadas ao chegar aqui, e é muito importante que encontrem abrigo para não se alojarem pelas ruas. Por isso, ajude quem precisa de onde você está. 

Se você dispõe de um cômodo vazio em sua casa, considere poder cedê-lo para uma ou mais pessoas. Grupos religiosos locais podem oferecer uma maneira de conexão com refugiados que poderiam usar seu quarto como uma moradia temporária.

A ACNUR publicou recentemente uma série inspiradora de histórias de pessoas na Europa que abrigaram refugiados em suas casas. Seja você também parte desse grupo.

2. Seja voluntário em sua comunidade

Outra forma interessante de se envolver com essas pessoas é poder passar um tempo trabalhando diretamente com eles. Todos temos alguma competência que pode ser de grande importância. Descubra uma forma de poder fazer a diferença usando as suas.

Você pode começar os ajudando a se estabelecerem bem em sua região, orientando-os sobre o local enquanto estão recomeçando suas vidas.

Que tal desapegar de alguns móveis que podem ser de grande valia para eles? Você pode fornecer alguns itens importantes (como sofás, fogões, geladeiras, utensílios de cozinha ou eletrodomésticos) e ajudar a transportar esse material para a nova moradia.

Além disso, quem sabe você possa cozinhar para os recém chegados? Apresente um cardápio comum para nós, mas culturalmente diferentes para eles.

Outra dica simples é buscar fazer amizade com os refugiados que estiverem vivendo em seu bairro ou sua cidade. Estender a mão pode gerar muito apoio emocional durante esses momentos traumáticos.

3. Ajude os refugiados a se integrar em uma nova cultura

O filme “uma boa mentira” fez um ótimo trabalho de retratar os sentimentos de isolamento que as pessoas podem ter quando se mudam para um novo país, e em seguida, tentam superar seus traumas e reiniciar suas vidas.

Nessa hora, pequenas gentilezas e gestos de amizade podem significar muito, então, procure um organização em sua comunidade que está trabalhando com refugiados e veja se você pode doar um pouco do seu tempo e sua atenção para se voluntariar.

Um trabalho nessa área é importante para poder ajudá-los aprender a língua local, não serem discriminados, conhecer bem a cidade, etc.

4. Incentive sua universidade a oferecer bolsas para refugiados

Para os estudantes refugiados, perder a oportunidade de prosseguir os seus estudos é devastador. Desde 1992, o programa DAFI do ACNUR e o governo alemão ofereceram bolsas de estudo para refugiados em todo o mundo.

A Universidade de Canberra, na Austrália também oferece bolsas de estudo para essas pessoas. Um programa no World University Service Canada promove a oportunidade de se inscrever em uma universidade canadense ou faculdade como um residente permanente.

Estudantes da Universidade de Oxford, no Reino Unido recentemente levantaram mais de US 300.000 para financiar bolsas de estudo para os refugiados. Encoraje sua universidade ou faculdade local a apoiá-los também.

5. Empregue os refugiados

Em alguns países, os refugiados são vistos legalmente como “convidados” e não estão autorizados a trabalhar, mas este não é o caso do Brasil.

Alguns órgãos, como o ADUS – Instituto de Reintegração do Refugiado, dispõe de meios e parcerias para auxiliar essas pessoas a se inserir no mercado de trabalho brasileiro. Porém, se você é um empresário e puder abrir vagas preferenciais, esta também seria uma excelente forma de ajudar.

Os refugiados muitas vezes possuem bom estudo e conhecimento, mas tiveram que largar tudo para poder fugir da guerra em seus países. Um exemplo disso é o programador Ali*, de 34 anos. Ele conta que era um homem rico na Síria. Tinha uma renda de US$ 4 mil por mês, carro e também foi um dos melhores alunos da sua pós-graduação.

6. Realize eventos de conscientização e angariação de fundos

Faça isso onde quer que esteja, em sua comunidade, escola ou locais de trabalho. Execute uma meia maratona, faça um evento patrocinado, uma rifa ou uma venda alguma coisa que não utilize mais.

Sites tornam a doação mais fácil para os seus apoiantes. Basta registar o seu evento e espalhar a notícia para que seus amigos, familiares e colegas possam doar de forma segura. Se você quiser usar materiais da agência de refugiados da ONU e outros recursos como banners, camisetas ou cartazes, entre em contato com o escritório local da ACNUR.

7. Doe

Se você não tiver disponibilidade de poder fazer trabalho voluntário, mas ainda assim quiser ajudar, considere fazer uma doação. Algumas organizações decidirão a melhor forma de aplicar o seu dinheiro, enquanto outras permitem que você mesmo especifique a finalidade do investimento.

É importante ter ciência de que toda organização que aceita doações repassa apenas uma parte diretamente para os refugiados. A outra vai para despesas de manutenção. Por isso, antes de doar, faça uma pesquisa e busque descobrir quanto do seu dinheiro realmente irá ser destinado para beneficiar quem realmente precisa.

Algumas das principais e mais conhecidas organizações de acolhimento e reintegração de refugiados são:

Faça você também a diferença na vida dessas pessoas. Procure formas de ajudar com trabalho voluntário ou doações e promova a cidadania na sua cidade.

Gostou desse nosso post? Quer ficar sempre por dentro das novidades de nossos canais? Então siga a gente em nossas redes sociais!

Sobre UniBH

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *