7 propostas de Donald Trump que vão mudar o rumo dos EUA

Tempo de leitura: 6 minutos

Se você acompanhou o resultado das eleições americanas, provavelmente se surpreendeu com a vitória de Donald Trump como o próximo presidente dos Estados Unidos. Ex-apresentador de TV, bilionário e de personalidade polêmica, o novo chefe de Estado norte-americano fez diversas promessas durante sua campanha, que terão repercussões grandes não apenas para os EUA, mas para o resto do mundo. Você sabe quais foram as propostas de Donald Trump?

Confira:

O papel militar dos Estados Unidos nas guerras

Essa é uma das principais questões que Donald Trump prometeu abordar caso fosse eleito presidente. Basicamente, o novo presidente tem duas linhas de argumentação nesse sentido: os Estados Unidos devem parar de gastar tanto dinheiro com ajuda militar a outros países; e o foco das forças armadas deve ser apenas o de proteger o território americano, não o de garantir a paz e a ordem mundial.

Ou seja, é um tipo de posição bastante protecionista, que pode ter sérios efeitos globais. Basicamente, se prevê menor intervenção americana nas regiões em conflito ao redor do globo. No entanto, onde há interesses eminentemente nacionais, como já é tradição entre os presidentes republicanos, as ações militares são robustas e frequentemente ignoram normas de direito internacional.

A situação dos imigrantes ilegais

Ponto polêmico discutido durante a campanha eleitoral foi a situação dos imigrantes ilegais nos Estados Unidos. Eles hoje representam uma parcela significativa da população, além de serem essenciais para o aquecimento da economia americana, que se impulsiona por meio de mão de obra barata.

Donald Trump prometeu, já para o início de seu mandato, expulsar mais de três milhões de imigrantes ilegais, bem como restringir a entrada de muçulmanos no país, já que a religião é frequentemente associada pelos americanos a ataques terroristas.

Trump também prometeu a construção de um muro por toda a fronteira entre o México e os Estados Unidos, com o objetivo de limitar a entrada de novos imigrantes ilegais no país. Mais do que essa construção, a polêmica também decorre de que o novo presidente quer que os mexicanos paguem pela obra, o que ainda não foi acordado entre os dois países.

As propostas de Donald Trump para a suprema corte americana

Um dos pontos de maior embate entre democratas e republicanos este ano foi a indicação de ministros para a suprema corte dos Estados Unidos. Em 2016, houve uma vacância no tribunal, fazendo com que a corte chegasse a um equilíbrio ideológico, com quatro ministros conservadores e quatro progressistas. O atual presidente, Barack Obama, tentou sem sucesso indicar novos ministros para ocupar o assento vago, mas os republicanos não aprovaram.

Donald Trump prometeu indicar ministros mais conservadores para a corte, não apenas para ocupar o atual assento vago, mas na hipótese de haver futuras vacâncias. Em termos práticos, isso significa que a corte pode reverter decisões já tomadas, como o direito da mulher ao aborto e a legalidade do casamento homossexual em todo o país.

O emprego e o comércio internacional

A principal plataforma eleitoral de Donald Trump sempre foi a geração de empregos. Segundo o magnata, seu plano de governo tomará medidas protecionistas para a geração de empregos no território americano em vez de favorecer o livre comércio e sua consequente busca por territórios onde o custo de produção e mão de obra é mais barato, como a Ásia, Oceania e América Latina.

Nesse contexto, o presidente eleito pretende rever os termos do Acordo Transpacífico, firmado entre Estados Unidos e diversos países asiáticos, para tentar reverter a tendência crescente de importação do mercado americano. Ou seja, é um indicativo de maior protecionismo e bloqueio da agenda de livre comércio no mercado internacional. Foros como a Organização Mundial do Comércio e o North-American Free Trade Agreement (Nafta) provavelmente serão esvaziados.

A internet e as novas tecnologias

Em 2015, houve um atentado terrorista em San Bernardino (Califórnia) por um casal de muçulmanos. Depois que eles foram pegos e mortos pela polícia durante um tiroteio, o FBI tentou hackear seus smartphones com o objetivo de descobrir mais informações sobre a motivação dos assassinos. Devido a recursos de segurança e criptografia do iPhone, isso não foi possível.

A Apple se recusou a fornecer ao FBI a chave de acesso ao telefone, atitude que foi severamente criticada por Donald Trump. Segundo o presidente eleito, a companhia de tecnologia não deve favorecer direitos individuais de privacidade em detrimento de investigações sobre atos terroristas, o que indica um fortalecimento de iniciativas vigilantistas e antiterroristas no novo mandato presidencial.

O direito constitucional de portar armas

O direito de portar armas está presente em uma das emendas à constituição americana, apesar de esse ser um dos países com o maior número de atentados e incidentes com armas no mundo. Durante a campanha, Hillary Clinton defendia maior controle e restrições para a venda de armas, enquanto Donald Trump era contra isso. O presidente eleito acredita que é um direito constitucional que deve ser defendido e que inclusive serve para a proteção pessoal de americanos.

O pagamento de impostos

Esse é o tema que talvez tenha gerado maior desacordo entre os dois candidatos à presidência dos Estados Unidos. Enquanto Hillary Clinton propunha um aumento de impostos para a população mais rica do país, Donald Trump defende um corte fiscal generalizado. Segundo ele, a diminuição de impostos, especialmente para pessoas jurídicas e para cidadãos mais ricos, terá como consequência o aquecimento econômico e a geração de emprego.

O que é peculiar nesse embate é a recusa do candidato republicano em tornar público sua declaração de imposto de renda, e até mesmo os indicativos que ele dava de que não pagava diversos impostos. Segundo Trump, isso o faz um homem de negócios inteligente, pois ele sabe operar o sistema tributário e as vantagens que lhe foram concedidas. Para muitos críticos, no entanto, isso representa um forte indicativo de que ele vai governar para a classe alta do país, aumentando a concentração de renda e a desigualdade nos Estados Unidos.

E você, o que acha das propostas de Donald Trump para os Estados Unidos? É importante se informar sobre esses temas! Aproveite também para conferir mais informações sobre como funciona a variação cambial e quais são suas consequências para o mercado financeiro brasileiro!

Sobre carlos.camara

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *