Afinal, quanto ganha um médico?

Tempo de leitura: 7 minutos

Desde os primórdios da civilização, a Medicina é uma das áreas do conhecimento e uma das atividades profissionais humanas mais respeitadas e não é por acaso que os médicos ocupam uma posição de destaque na sociedade. Afinal, são eles os responsáveis por cuidar da saúde e da qualidade de vida das pessoas desde o momento em que elas nascem.

Portanto, é natural que os profissionais da área médica tenham remuneração compatível com a responsabilidade da profissão que exercem, certo? Você sabe dizer quanto ganha um médico e como o salário varia de acordo com a especialidade deste?

Neste post vamos apresentar as respostas. Confira!

Os vários tipos de médicos

De modo geral, o profissional da Medicina é aquele que se dedica à saúde humana, fazendo pesquisas, trabalhando para a prevenção de doenças, realizando diagnósticos, prescrevendo tratamentos, se empenhando na cura de doenças e de ferimentos e exercendo várias outras funções necessárias para manter a qualidade de vida da população.

No Brasil, para que a profissão possa ser exercida, é necessário que haja uma formação acadêmica adequada, que durará seis anos, e, posteriormente, o registro do profissional junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM) de algum estado da União.

Nessa atividade, o médico pode trabalhar como um generalista ou buscar uma especialidade, entre as inúmeras possibilidades existentes. Cada uma delas se dedica a cuidar de um dos vários aspectos da saúde humana.

Isso significa que o médico pode ser um clínico geral que faz atendimentos amplos, que apreciam a saúde como um todo ou que ele pode se dedicar a atendimentos específicos. Por exemplo, se for um pediatra, o médico se dedicará ao atendimento de crianças.

Como dermatologista, tratará das questões relacionadas à saúde da pele. Caso se especialize em nefrologia, ele estudará e cuidará da saúde dos rins. No Brasil, atualmente, são reconhecidas 53 especialidades médicas. Abaixo listamos as 15 que reúnem o maior número de profissionais no país:

  • Pediatria;

  • Ginecologia e Obstetrícia;

  • Cirurgia Geral;

  • Clínica Médica;

  • Anestesiologia;

  • Medicina do Trabalho;

  • Cardiologia;

  • Ortopedia e Traumatologia;

  • Oftalmologia;

  • Radiologia e Diagnóstico por Imagem;

  • Psiquiatria;

  • Dermatologia;

  • Otorrinolaringologia;

  • Cirurgia Plástica;

  • Medicina Intensiva.

Naturalmente, caso queira se especializar, depois de concluída a graduação, o médico deve se dedicar a outros cursos de pós-graduação, mestrados, doutorados e até aos pós-doutorados.

Além disso, convém participar de congressos e de outras atividades que permitam que ele desenvolva a carreira e se mantenha atualizado em relação às ciências médicas. Portanto, cabe destacar que a cada uma das especialidades médicas está associada uma faixa salarial e que, quanto mais especializado for um médico, maior será o seu teto.

Campos de atuação

Um médico pode trabalhar em hospitais e clínicas particulares ou atuar em entidades privadas. Ele pode, ainda, ter um consultório próprio e desenvolver atividades em outras áreas, como, por exemplo, a de professor universitário, lecionando para as muitas cadeiras da Medicina, ou de pesquisador.

O médico também pode dar suporte à saúde do trabalho em empresas e gerir unidades de saúde, entre muitas outras funções. Naturalmente, é possível que um médico combine duas ou mais atividades o que, é claro, terá influência sobre a remuneração que ele recebe. Todas essas alternativas colocam a Medicina como a profissão mais bem paga do Brasil.

As etapas iniciais da carreira

Logo que se forma e inicia a carreira, o novo médico passa por uma espécie de pós-graduação, exercendo a função de médico residente em alguma instituição de saúde etapa que é cumprida em dois anos.

Durante esse período, ele trabalhará recebendo apoio especial dos outros colegas de profissão que têm maior tempo de atividade e a supervisão de professores, que transmitirão ao novo profissional a experiência que adquiriram. Além disso, na lida com as rotinas da saúde, ele também terá a oportunidade de absorver maior capacidade de trabalho.

Assim, naturalmente, como o médico residente ainda está em fase de desenvolvimento profissional, a remuneração normalmente será menor do que a que recebe um especialista. Porém, isso não significa que o salário seja baixo.

Afinal, um médico residente no Brasil pode perceber algo a partir de R$ 2 mil e o salário pode chegar a mais de R$ 10 mil, dependendo da região do país e do hospital em que ele atua.

A carreira de médico

De fato, nos grandes centros urbanos o mercado da Medicina é bastante concorrido. Porém, mesmo assim, essa é a categoria profissional que apresenta menor taxa de desemprego no Brasil, que absorve praticamente todos os profissionais disponíveis.

São várias as possibilidades de progressão na carreira, que dependerão apenas da intenção e da vocação do profissional. À medida que vai progredindo na carreira, adquirindo experiências na profissão, realizando cursos e participando de congressos, surgem oportunidades que terão influência sobre o salário que o médico pode receber.

Salário Mínimo

De acordo com a Lei Federal nº 3.999 de 1961, os médicos não devem ganhar menos do que três salários mínimos por uma jornada de trabalho de 20 horas semanais. Considerando o salário mínimo de R$ 937, em vigor desde o dia 1º de janeiro deste ano, hoje essa remuneração é equivalente a R$ 2.811.

Contudo, a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) recomenda que, pela mesma jornada, sejam pagos R$ 11.675. Esse valor não significa uma imposição salarial, mas serve como referência para orientar as convenções, as negociações e os acordos coletivos que são feitos pelos sindicatos da categoria com as instituições empregadoras.

Porém, considerando a realidade do mercado, que deve ser associada a cada região onde a profissão será exercida e às especialidades médicas, as referências para essa remuneração mínima podem ser inferiores ao que estabelece a Fenam.

Segundo o Guia de Profissões e Salários da Catho, a média salarial dos profissionais de Medicina no Brasil, considerando diferentes especialidades é:

  • Clínica Geral: R$ 6.490;

  • Psiquiatra: R$ 6.541;

  • Ginecologista: R$ 5.332;

  • Pediatra: R$ 5.584;

  • Cardiologista: R$ 6.970;

  • Coordenador Médico: R$ 9.679;

  • Administrador Hospitalar: R$ 5.465;

  • Gerente médico: R$14.287;

Tomando a Clínica Geral como referência, também é possível fazer uma análise sobre o tempo de experiência, relacionado aos ganhos do profissional, como segue.

  • Um clínico geral júnior, que tem entre dois e quatro anos de experiência, recebe em torno de R$ 6,7 mil de remuneração mínima e pouco mais de R$ 11 mil de remuneração máxima;

  • Quando a experiência está entre quatro e cinco anos e o médico se torna um clínico geral pleno, o salário mínimo fica na ordem de R$ 8,4 mil e o máximo próximo a R$ 14 mil;

  • Com experiência entre seis e oito anos, o profissional é classificado como clínico geral sênior e o salário permanece entre R$ 10,5 mil e R$ 17,8 mil;

  • Por fim, quando chega a condição de clínico geral master, a remuneração fica entre R$ 13 mil e R$ 22 mil.

Porém, isso não significa que há um limite para a remuneração. Diretores de hospitais, pesquisadores e outros profissionais que se destacam na área médica podem atingir salários muito superiores a R$ 30 mil.

Se você quer saber mais sobre a profissão e esclarecer alguma dúvida sobre quanto ganha um médico, deixe um comentário! Teremos prazer em lhe ajudar!

Sobre UniBH

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *