Aprenda como ter uma carreira de sucesso como professor!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Já pensou na sensação de ver um aluno, que começou uma disciplina cheio de dúvidas e aos tropeços, aos poucos, assimilar e dominar um conteúdo? Mais ainda, já refletiu sobre o quanto um professor é decisivo para a formação desse estudante por ser um disseminador de ideias e de valores? Muito mais do que uma área profissional, ser professor é uma missão social muito admirada.

Há quem afirme ter nascido com talento natural e certeza desde criança para seguir esta carreira. Há, também, quem percebeu que o caminho era uma boa opção durante o ensino médio ou superior.

De uma forma ou de outra, ser professor — e dons bons — exige planejamento, disciplina e muito preparo. Afinal, ser central no processo de formação de conhecimento de várias pessoas é uma enorme responsabilidade.

E, se essa é a carreira que você escolheu (ou pensa em escolher), nosso post de hoje é para você!

A carreira de professor

Além de algumas aptidões naturais, é preciso investir na formação e nos diferenciais para se destacar nessa caminhada. A graduação é a grande porta de entrada para essa carreira, que pede atualização constante e cursos complementares para incrementar o conhecimento. Ser professor é sempre estar disposto a aprender e nunca achar que já sabe o bastante. Ponto para os inquietos!

Mas qual é exatamente o passo a passo para se tornar um professor respeitado, admirado e com trajetória notável? Qualquer um pode atuar nessa profissão ou existe um perfil específico? Quais são as vantagens, os desafios e as atitudes para vencê-los?

Ser professor: uma boa escolha

Trabalhar dando aulas pode proporcionar muitas vantagens. Além da motivação social que há por trás do ato de ensinar, estão outros benefícios, tanto pessoais quanto profissionais:

Para começar, ser professor é garantia de que você sempre estará aprendendo. Ou seja: ótima opção se você é curioso e precisa de novidades a todo momento. E não são aprendizagens superficiais: a profissão exige que você vá além do que todo mundo vai e veja o mundo por um ângulo diferente do que todo mundo vê.

A relação entre alunos e professores, que no passado era mais hierarquizada e menos aberta, hoje se modificou. Com mais liberdade para se manifestar, os próprios estudantes, muitas vezes, apresentarão aos seus educadores novas perspectivas, leituras, novidades ou mesmo experiências. Até mesmo as dúvidas são um prato cheio para um bom professor, por serem um convite para que ele pesquise mais.

Um bom profissional jamais fica para trás tanto na sua área de conhecimento quanto sobre a conjuntura do mundo que o cerca. Dessa forma, as indagações que surgirem conjuntamente na sala de aula podem ser a faísca para grandes estudos e descobertas!

É comum que qualquer pessoa se indague ao menos uma vez na vida quanto ao que efetivamente está fazendo pela sociedade em que vive. De todas as profissões, são os professores quem obrigatoriamente deixam o que todos querem deixar no mundo: um legado.

Quem não teve ao menos um docente querido e marcante ao longo da infância e se lembra dele, com carinho, até hoje? De alguma forma, esse professor fazia com que os conteúdos tão difíceis para alguém naquela idade se tornassem mais interessantes e simples.

Educadores são fontes de inspiração para os educandos, especialmente quando têm métodos e estratégias diferentes dos demais. Esse é, também, um ganho no processo de se tornar professor: o autoconhecimento.

Saber exatamente quais são seus pontos a melhorar, trabalhá-los e superar as próprias expectativas é processo constante nessa carreira, na qual se está exposto o tempo todo. É um desafio estar na frente de vários olhos e ouvidos e ser compreendido — sem falar das vezes em que esses olhos e ouvidos não estão tão atentos assim.

Além de todas essas vantagens, a rotina de trabalho do professor pode significar outro ponto positivo: horários diferenciados. Se você não se vê trabalhando no chamado “horário comercial”, de 8h às 18 h, dentro de um escritório e na frente de uma tela de computador, essa pode ser sua praia.

Ser professor pode proporcionar, por exemplo, estar no ambiente de trabalho em períodos específicos do dia, como apenas pela manhã ou apenas pela noite.

Mas não se engane: preparar aulas é uma tarefa que toma tempo e exige dedicação. A parte boa é que você pode fazê-la em sua casa, com roupas confortáveis ou de pijama, se preferir!

Escolhendo sua licenciatura

Uma das formas de se tornar professor é optar por um curso graduação que seja de licenciatura — e não bacharelado. A licenciatura, que também dura cerca de oito semestres, prepara o profissional para a docência em áreas específicas do conhecimento, podendo atuar no ensino infantil, fundamental ou médio.

Quem faz licenciatura, além de aprender conteúdos específicos de sua área durante a graduação, também cursa disciplinas voltadas para a prática pedagógica.

Mas por que licenciatura?

Essa modalidade de graduação é importante porque nela é desenvolvida uma das habilidades mais necessárias de quem quer ser um bom professor: a didática. Afinal, não basta saber muito, é preciso saber transmitir o que sabe para outras pessoas de uma maneira descomplicada e interessante. Em outras palavras, de uma forma que prenda a atenção.

Provavelmente, ao assistir às aulas, você se dispersa facilmente com qualquer notificação de mensagem que recebe no celular, certo? Imagine o quanto não é complicado para o “lado de lá” tentar prender a sua atenção ao ensinar e competir com tantos recursos tecnológicos? Agora, multiplique isso pelo número de alunos que geralmente existem em uma sala. Um professor é quase um mágico, não é mesmo?

Para se tornar um bom profissional, todas as escolhas na sua carreira precisam ser estratégicas. Optar pela licenciatura, dessa forma, é se preparar para ser professor antes mesmo de cursar o ensino superior. Como consequência, será ainda mais fácil direcionar a carreira para o ensino com cursos complementares.

É possível fazer licenciatura em qualquer área do conhecimento?

Os cursos com opções de licenciatura, em geral, são aqueles mais recorrentes nos ensinos fundamental e médio, como História, Letras (com habilitação em Português ou outras línguas, como Inglês e Espanhol) e Matemática, por exemplo. Percebe que todas essas licenciaturas têm até o mesmo nome das disciplinas que você cursou há um tempinho?

Graduações como Jornalismo, Medicina e Engenharia dizem respeito a um conhecimento mais aplicado. Por isso, são cursados na modalidade de bacharelado, e não de licenciatura. Não é comum ver uma turma de 8ª série estudando sobre como construir prédios, produzir reportagens ou curar pessoas, certo?

Quem se forma como bacharel, porém, ainda assim pode ser professor. Basta, para isso, investir em sua formação profissional, especialmente stricto sensu, assunto sobre o qual a gente fala daqui a pouco.

Existe vocação profissional para dar aulas?

Muitas habilidades podem ser desenvolvidas com esforço, treino e força de vontade. Porém, para ser professor, algumas características que fazem parte da própria personalidade são valorizadas.

Para exercer a profissão, ter boa capacidade de se comunicar é fundamental porque as ideias devem ser transmitidas com clareza. A paciência também é uma qualidade necessária — que nem todo mundo possui —, além de muita empatia, a capacidade de se colocar no lugar do outro.

Um bom professor tem sensibilidade para entender, nas atitudes e nas reações da turma, se algo que está explicando parece muito complicado naquele momento. Ainda, recuar seu raciocínio para o mesmo nível dos estudantes, que têm anos a menos de experiência e bagagem, e conseguir transmitir tudo de uma forma mais inteligível.

Saber lidar com pessoas, especialmente com as forças e fraquezas dos alunos, é essencial. Um professor deve ser, antes de tudo, um incentivador, alguém que inspira outros indivíduos a aprender, refletir e superar suas próprias dificuldades.

Incentivar pode ser instigar os alunos com perguntas sem respostas fáceis ou ideias que, à primeira vista, pareçam descabidas. Um bom professor é sempre questionador!

Mas então todo mundo pode ser professor?

Percebe como muitas dessas qualidades são natas? Algumas habilidades, porém, podem ser trabalhadas durante o período de formação e a prática profissional. O comprometimento, por exemplo, além de ser da personalidade, também é desenvolvido quando um profissional que se engaja vai percebendo resultados.

A timidez pode ser contornada — exceto se for em excesso, causando desconforto para o profissional — com cursos de oratória e de linguagem corporal, além de técnicas para dominar o público com quem está lidando. Porém, a “semente” precisa estar ali, para que a partir dela um grande professor cresça.

Pesquisa acadêmica como alternativa para o sucesso

Uma das possibilidades que uma carreira de professor oferece é aliar a sala de aula às atividades de pesquisa. Pesquisar é uma forma de se manter atualizado mas, também, de produzir e renovar conhecimento para o mundo.

Paralelamente às atividades como professor, o profissional pode manter grupos de pesquisa, projetos e contar com financiamento de agências de fomento para que eles se realizem.

Para ter sucesso na carreira acadêmica e acesso a essas oportunidades, porém, somente a graduação não será suficiente. É preciso investir em cursos de especialização, mestrado ou doutorado, dependendo dos objetivos.

A pesquisa acadêmica vai possibilitar ao professor mais recursos humanos, financeiros e materiais para seus projetos.  Além disso, as titulações incrementam, e muito, o salário do profissional.

O campo de atuação também se expande: sendo mestre ou doutor, é possível passar a dar aulas para alunos de ensino superior. Nada mal ter mais opções e escolher a que melhor lhe atende, não é?

Fazendo o planejamento de carreira

Para conseguir ter uma carreira de sucesso, em qualquer área, é necessário se preparar e planejar, afinal, várias escolhas podem mudar o curso dela. Mas, quando falamos da atividade como professor, o planejamento deve ser ainda mais minucioso. Afinal, em uma carreira que exige conhecimento na ponta da língua, é preciso saber exatamente em que — e quando — investir.

Defina a chegada

O primeiro passo para planejar uma carreira profissional é saber exatamente onde você quer chegar. Como o conceito de sucesso varia muito de pessoa para pessoa, é você quem precisa se conhecer e definir o que será a linha de chegada para você.

Seu projeto para o futuro é dar aulas em outro estado? Ser um professor de renome e pesquisador consultado pela mídia? Dar palestras e motivar pessoas? Ser professor no exterior? As suas ambições podem até parecer apenas sonhos agora, mas são elas que vão te dar forças para conquistar seus objetivos. Não tenha medo de sonhar grande!

Estabeleça metas em curto, médio e longo prazo

Mais do que o grande sonho que te impulsiona, suas metas precisam ser reais. Podem e devem ser ambiciosas, mas sempre com o pé no chão. Estabelecer para si mesmo uma meta impossível é garantir a frustração e o desânimo.

Assim, divida suas metas entre as de curto, médio e longo prazo e se programa para cumpri-las dentro do tempo estipulado.

Converse com outros profissionais

Trocar ideias com quem atua nessa área há mais tempo pode ser o melhor caminho para uma conversa franca sobre a profissão. Não tenha medo de fazer perguntas ou vergonha de admitir que não sabe tudo.

A riqueza de contar com uma espécie de tutor profissional é ouvir quem já tem muito mais experiência que você e que, com certeza, algum dia já teve as mesmas dúvidas e angústias.

Não meça esforços para investir em você

É preciso ter em mente que o crescimento na carreira, para um professor, significa saber sempre mais do que se sabe e acumular formação para estar apto às funções que você realmente deseja exercer.

Se você sonha em ser um professor de projeção, que dá cursos e palestras fora do país, como pretende conseguir isso sem dominar outros idiomas?

10 erros do professor iniciante

Ser professor em início de carreira não é tarefa das mais fáceis. Afinal, a pressão para saber muito sobre o que se ensina, conseguir ser respeitado em sala de aula e conquistar os alunos é grande. Ser professor iniciante é lidar com a insegurança. Mas essa listinha de erros a serem evitados pode ajudar você nessa caminhada:

Demonstrar insegurança

Você pode até sentir um frio na barriga, mas deixar transparecer não é legal. Toda a imagem de um professor em sala de aula é levada em consideração pelos alunos, que tendem a não respeitar quem aparenta ser frágil e não estar seguro do que diz ou faz.

A sala de aula é como um teatro, sendo o professor um ator no palco e, os alunos, a plateia. O jeito é encarnar um personagem para driblar o medo.

Não levar aparência em consideração

Pode parecer cruel, mas as pessoas são julgadas pelo que vestem em poucos segundos de contato visual. Não falamos aqui que um professor precisa se vestir com roupas muito elaboradas nem mesmo caras.

A sacada é se vestir de acordo com a imagem que quer passar para aquele público específico. Uma professora de Artes que se veste de maneira muito fechada e séria não vai conseguir expressar sua criatividade como deveria. Um professor de um curso superior como Administração e Direito muito despojado no vestir pode não passar a devida credibilidade.  

Corrigir um aluno em meio aos colegas

O professor tem todo o direito de dar um puxão de orelha em seus alunos quando necessário. Porém, a forma como a correção é feita é mais importante que o próprio ato de corrigir.

Fazer isso em voz alta, quando o aluno está em meio aos colegas, não é legal. Ele pode ficar constrangido e nunca mais se abrir novamente. Alguns companheiros de turma podem até rir ou levar na brincadeira, mas a consciência pesada vai te acompanhar.   

Expressar-se de forma agressiva

Um bom relacionamento com os alunos é o primeiro passo para o aprendizado eficaz. Se você tentar expressar sua autoridade de forma agressiva, a única coisa que vai conseguir será resistência. Os alunos, muitas vezes, só querem uma figura que os entenda e que converse de igual pra igual, mesmo com a relação de respeito estabelecida.

Criticar a todo momento

Críticas construtivas e pontuais são bem-vindas, mas ninguém vai conviver com um professor crítico o tempo todo de forma confortável. Em vez de impulsionar um aluno que cometeu um erro a tentar melhorar, críticas duras podem afundá-lo ainda mais e acabar com sua autoestima. Lembra que professores devem ser sensíveis às pessoas?

Ser impaciente

Cada aluno aprende em um tempo diferente e possui uma personalidade única. Demonstrar impaciência com essas peculiaridades é sinal de falta de talento para a carreira de professor.

O bom profissional tenta explicar algo quantas vezes forem necessárias até que o aluno entenda, variando métodos se preciso. Não existe ensino sem paciência.

Não dar espaço para ideias diferentes

A pluralidade de ideias e opiniões deve ser respeitada — desde que, é claro, as intervenções sejam feitas com respeito. Se um aluno se manifesta de forma tranquila e com argumentos, um bom professor deve dar espaço para que ele se posicione mesmo que suas convicções sejam diferentes.

Estimular o pensamento crítico também faz parte do cotidiano de um professor.

Não entender a importância do marketing pessoal

O marketing pessoal é o melhor amigo de um professor, especialmente dos que estão em início de carreira, pois pode ajudar a conseguir novas oportunidades e reconhecimento mais rapidamente.

O professor trabalha com um produto a serviço de vários clientes simultaneamente. O próprio profissional e o conhecimento que ele possui podem ser encarados como produtos para seus alunos, que precisam consumi-los com a melhor qualidade possível. Por isso, um professor deve se aperfeiçoar ao máximo para oferecer conhecimento com técnicas cada vez mais apuradas e interativas de ensino.

Estar nos lugares certos também faz parte da vida de um professor de sucesso. Nada é melhor do que ser lembrado e convidado para ocasiões especiais ou projetos acadêmicos. O networking construído na faculdade pode ser a chama inicial para uma grande rede de relacionamentos.

Não investir em um plano de aula

Chegar para dar aulas despreparado é um tiro no escuro. Sua memória e sua capacidade de improvisação são tão boas assim? Um bom professor planeja suas aulas com antecedência, colhendo exemplos e programando as melhores alternativas para que seus alunos apreendam um conteúdo.

Vídeos, áudios, infográficos, dinâmicas: são várias as opções para enriquecer as aulas e não deixar que os alunos morram de tédio. Mas, para isso acontecer, é preciso estudar antes, pensar na divisão de tempo durante uma aula e durante a disciplina. Ter uma visão do todo não deixa o profissional no escuro.

Não entender que precisa se atualizar

Não importa se você acabou de sair da faculdade: há conhecimento novo circulando aí fora. Por isso, mesmo que um professor seja iniciante, não pode achar que já sabe tudo ou que está por dentro de todas as novidades.

Leia bons livros, da sua área ou de literatura, esteja atento às redes sociais, acompanhe as notícias mais gerais pela TV, internet, jornais ou revistas. Ah! Tenha na sua lista de favoritos do navegador sites com conteúdos relacionados com sua área de formação e às disciplinas que leciona. Saber nunca é demais.

5 cursos para professores poderem alavancar a carreira!

Especialização

A especialização é uma modalidade de pós-graduação lato sensu que tem duração variada. Algumas levam apenas um ano para serem concluídas e já garantem um grande incremento no currículo de professor, que deve estar sempre em dia. Com mais conhecimento em uma área específica, há mais chances de ficar com boas vagas. O salário agradece.

Mestrado

É ponto obrigatório de quem quer seguir carreira acadêmica e dar aulas para alunos de ensino superior. O mestrado, que tem a duração média de dois anos, permite mais aprofundamento nos estudos e pesquisas mais sofisticadas. O resultado de um mestrado é uma dissertação, mas são produzidos, também, muitos artigos acadêmicos durante o processo.

Ter mestrado, muitas vezes, é exigência mínima para concursos públicos para o cargo de professor. A expectativa de retorno financeiro também aumenta, e o reconhecimento de um professor como referência passa a ser uma realidade.

Doutorado

O doutorado, com duração média de quatro anos, é para quem quer ir além e dar aulas até mesmo para alunos de pós-graduação. Tendo mais tempo para desenvolver sua pesquisa, o doutorando finaliza o processo entregando uma tese, bem mais elaborada que a dissertação.

Mais uma vez: uma nova titulação significa melhor remuneração. Por isso, professores doutores costumam ter bons salários, tanto na rede particular de ensino quanto na rede pública superior, quando concursados. O investimento é alto, mas em algum momento o retorno financeiro chega.

Cursos de Idiomas

Para expandir horizontes e até mesmo suas possibilidades de pesquisa, é essencial que um professor invista em cursos de idiomas especialmente os mais solicitados em concursos e processos seletivos de programas de mestrado e doutorado, como inglês e espanhol. Vale até mesmo para dar uma força para os alunos em sala de aula caso se deparem com algum material estrangeiro.

Quem tem disponibilidade de tempo reduzida ou dificuldades de deslocamento pode muito bem optar por aprender línguas por meio de ferramentas online (como a rede social Livemocha ou o aplicativo Duolingo) ou mesmo professores particulares — além de escolas especializadas — que oferecem aulas por meio de vídeo em tempo real. Com programas como o Skype, é possível aprender e revisar a gramática, treinar a pronúncia e se cansar bem menos!

Cursos livres e de complementação ofertados pelo Ministério da Educação

Cursos complementares têm tudo para turbinar a carreira de um professor. Entre os cursos ofertados pelo próprio MEC, estão o Prodocência, Pró-Licenciatura, Pró-Letramento, Mídias na Educação e Formação pela Escola, entre vários outros.

O objetivo é que os professores sejam cada vez mais capacitados para lidarem com os novos desafios do ensino e fiquem por dentro de técnicas didáticas diferenciadas, como a utilização de material multimídia para as aulas, por exemplo.

Uma carreira tão bonita merece um bom investimento, a começar pela graduação. Tirar o máximo de proveito do curso superior é um dos primeiros passos para uma trajetória de sucesso como professor.

E você, animou de tentar esse caminho? Com disciplina, organização, muito estudo e inspiração, você pode ser um excelente profissional que, de fato, faz diferença na vida de outras pessoas. Planeje, invista em sua formação e mãos à obra! Ensinar as pessoas pode ser mais que um hobby, pode ser sua carreira. Leia mais sobre isso aqui.

Sobre UniBH

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *