Como estudar para o vestibular usando provas antigas?

Tempo de leitura: 13 minutos

Você já percebeu que, quando atletas ou times vão disputar algum campeonato fora, eles viajam alguns dias antes e fazem treinos no local exato em que ocorrerá a disputa? Sabe por que isso acontece? Porque eles precisam se adaptar às condições do novo local: ar rarefeito, chuvas constantes, frio ou calor extremos, piso com irregularidades, enfim, os atletas precisam se adaptar ao novo ambiente quando a disputa for pra valer.

Assim como os esportistas, é importante que os estudantes estejam preparados de forma realista para o que vão enfrentar no dia do vestibular. Não basta estudar o conteúdo como um todo, é preciso levar em conta o perfil das provas de cada instituição.

Pensando nisso, separamos algumas dicas de como estudar para o vestibular usando provas antigas como referência. Esse método possibilita que o estudante aproveite melhor seus estudos: prevendo o que pode cair e entendendo o método de correção e a forma de abordagem das diversas disciplinas pela instituição pretendida.

Confira!

Separe o material de forma adequada

Esse é, obviamente, o primeiro passo: separar o material. Eu sei que você deve estar pensando em utilizar as apostilas do cursinho que têm questões das provas antigas, certo? Não faça isso. Os cursinhos preparam os alunos de forma geral.

Assim, suas listas de exercícios trazem questões das mais diversas instituições. Lembre-se que você decidiu treinar para enfrentar a prova de uma instituição específica. Então:

  • Separe as provas dos vestibulares passados de uma instituição especifica. Normalmente, elas podem ser encontradas no site da universidade ou da faculdade em questão;

  • Busque uma sequência de provas, mas não precisa ser necessariamente a do ano anterior. Podem ser testes realizados de dois ou três anos atrás, não se preocupe com isso. O importante é que seja mais de uma prova. Isso porque, quando você estuda mais de uma prova, é possível identificar os conteúdos, os formatos e as exigências recorrentes;

  • Anote o conteúdo que aparece em mais de uma prova e dê ênfase nele quando estiver estudando — eles têm maior probabilidade de cair na prova.

O que está em questão é aproveitar o material para saber resolver questões semelhantes, usando o menor tempo possível, da melhor maneira possível.

Leia a prova toda antes de começar a responder

Por falar em estratégias, independentemente de qualquer outra coisa, leia a prova toda antes de começar. A partir dessa leitura:

  • Divida a prova entre questões mais fáceis e questões mais difíceis;

  • Defina uma abordagem. Alguns especialistas dizem que é melhor eliminar as questões mais fáceis e depois as mais difíceis. Porém, essa escolha deve ser sua. Recomendamos, apenas, que, na existência de uma prova de redação, ela seja seu começo. Isso porque a redação exige uma mente completamente descansada, capaz de alinhar ideias de forma coerente e fundamentada.

Faça as provas (não adianta apenas ler as questões)

Você já separou o material, leu, identificou e anotou as questões mais recorrentes. Certo? Agora precisa fazer a prova. Isso mesmo! Não basta ficar só na leitura, é preciso partir para a prática. Sabe por quê?

  • Fazendo as questões, você vai identificar o real nível de dificuldade para você. Por exemplo, é comum que provas de matemática exijam interpretação de texto e não apenas o conhecimento de fórmulas e de números. Você só vai saber quão difícil é para você atrelar essas duas tarefas — interpretação e cálculo — depois de executá-las;

  • Você vai conseguir identificar, também, sua média de tempo em cada questão. Afinal, cada minuto gasto em uma delas é um minuto a menos nas demais.

Estudar as provas antigas é tornar o estudo mais personalizado. A experiência que você vai adquirir te possibilitará desenvolver estratégias, macetes e caminhos específicos para você.

Faça uma correção crítica

Não se limite ao gabarito. Tudo bem que, quando o grande dia chegar, a única coisa com que você vai se preocupar é se seu gabarito confere ou não com o oficial. Mas, na sua fase de treino, essa não deve ser sua única preocupação.

  • Em caso de acertos: verifique se você usou a melhor maneira de resolver a questão e e se essa é a forma mais rápida e segura. Resolva as questões de outras maneiras, certifique-se de que você está realmente preparado;

  • Em caso de erros: identifique o que realmente te levou a errar. Se foi não saber a resolução, não conseguir interpretar a questão ou o nervosismo. Invista tempo em reverter a situação identificada.

Lembre-se que existem três fatores que precisam ser trabalhados juntos e que vão te ajudar no dia da prova: domínio do conteúdo, gestão do tempo e domínio das formas de resolução.

Faça simulados também — eles são complementares

Estude por meio de simulados também. Ao trazermos essa nova ferramenta — provas antigas —, não estamos excluindo as outras formas de ensino, e sim complementando.

  • As provas antigas te ajudam a entender o perfil da prova que você vai enfrentar. E a partir disso, você se adéqua ao formato de prova exigido;

  • Os simulados, por sua vez, apresentam as novas possibilidades e atualizam seu conhecimento. Isso quer dizer que: uma prova de 2015 não conseguirá articular as disciplinas aos acontecimentos relevantes de 2016. Ela vai apresentar apenas o perfil que essa articulação poderá ter. Já os simulados conseguem cumprir esse papel.

Entenda que não estamos falando em abandonar nenhuma outra forma de estudo. Se você não tem conhecimento sobre uma disciplina, é importante que você estude em um livro teórico, faça listas de exercícios de fixação para, só então, partir para as provas antigas e para os simulados. Combinado?

Tenha atenção especial à redação

Se a instituição para a qual você prestará concurso cobra redação, dê especial atenção a essa disciplina nas provas antigas:

  • Identifique ao longo dos anos quais têm sido os temas abordados (atualidades, temas históricos etc). Não deixe de se manter informado sobre a atualidade;

  • Verifique se a instituição libera as redações que tiveram notas máximas e as leia;

  • Confira as exigências mais costumeiras da instituição. Além do tema, elas costumam cobrar pontos específicos e atribuir pesos diferentes a cada quesito (coerência, coesão, capacidade argumentativa, gramática etc.).

Se você ainda está em dúvida sobre como estudar para o vestibular saiba que o treino é uma das partes mais importantes. Teoria sem prática, nesse caso, é muito pouco eficaz — é preciso treino para lidar com o nervosismo, para lidar com o tempo e para definir qual a melhor forma de resolver as questões. Fazer as provas antigas é isso: estimular a mente e o raciocínio.

Entenda a lógica da banca

Elaborar cronogramas de estudo, revisar conceitos, ensinar para aprender são boas estratégias para obter e sedimentar o conhecimento em termos gerais, mas para cada vestibular que você for fazer, é necessário se preparar também para o formato da prova em si, conhecer a banda examinadora.

Acontece assim: cada tipo de prova (vestibulares tradicionais, ENEM etc.) é elaborado por uma banca organizadora, que busca avaliar habilidades e competências específicas dos candidatos.  O ENEM, por exemplo, costuma cobrar mais a capacidade de aplicar a teoria aprendida na resolução de situações-problema, enquanto que a maioria dos vestibulares valoriza a memorização de conceitos.

São, na verdade, abordagens diferentes, e é fazendo as provas anteriores da banca responsável pelo vestibular que você vai prestar, que você perceberá esse padrão. Utilizar provas antigas como recurso preparatório permite que você enxergue como a banca pensa, o que ela quer do aluno, podendo antecipar temas recorrentes e a maneira como eles são dispostos. Isto facilitará sua aprendizagem.

Entender, portanto, a lógica da banca é uma grande vantagem para o candidato e pode representar um diferencial nas etapas eliminatórias e classificatória. Assim como o caso dos atletas, se você precisa trilhar um caminho no escuro, conhecer suas curvas e relevos garantirá um melhor desempenho da tarefa quando a hora chegar, você não concorda?

Mas como vou saber qual é a banca?

Hoje em dia, a maioria dos vestibulares são vinculados à Instituições de Ensino Superior (IES), que empregam seu próprio corpo docente na elaboração das questões. Você poderá conferir qual é a banca responsável por sua prova no próprio site da universidade (que também costuma disponibilizar as provas anteriores e seus gabaritos) e, assim, pesquisar sobre ela.

Atualmente, há várias bancas, das quais é provável que você já tenha ouvido falar. Vunesp, Cespe/UnB, Enem/Inep, Fundação Getúlio Vargas etc. Sua estratégia de preparação para um vestibular, portanto, deve incluir uma sondagem do terreno, isto é, a pesquisa sobre a banca.  

Conheça os assuntos recorrentes em cada matéria

Ano após ano, milhares de questões são produzidas para os vestibulares e para o Enem, amarrando acontecimentos atuais e teorias já consolidadas do conhecimento humano. A abordagem de cada banca, como mencionamos, é diferente, mas as disciplinas permanecem as mesmas e é possível mapear os principais temas abordados.

Um ponto que você deve ter atenção é que, no Enem, todas as questões são contextualizadas e interdisciplinares. Mas o que isto significa? Bem, que a resolução de uma questão exigirá do candidato o emprego de múltiplas habilidades e conhecimentos provindos de disciplinas distintas. É comum, por exemplo, que um enunciado de Física traga algum conceito histórico e cobre a interpretação textual. Além disso, a maioria dos exercícios está ligada a algum tema em debate no cenário nacional e internacional.

Para auxiliar em seu cronograma de estudos, compilamos a seguir os assuntos mais recorrentes em cada grande área. Acompanhe!

  • CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA, GEOGRAFIA, FILOSOFIA E SOCIOLOGIA) – Períodos históricos e seus sistemas políticos e sociais, Nascimento e evolução dos estados  nacionais, movimentos revolucionários (como sufrágio universal, manifestações anti-imperialistas etc.), América Latina e a lógica da colonização, confrontos e desafios políticos ao longo do século XX (Guerras mundiais, Guerra Fria, Apartheid na África do Sul etc.), processo de Independência, República Velha, Era Vargas e os direitos trabalhistas,  Populismo como forma de governo, Impeachment,  Constituição Federal de 1988 e direitos sociais. Conceitos relacionados às práticas democráticas atuais e das civilizações greco-romanas. Formas de governo concebidas por Platão. A Globalização e os blocos econômicos, a terceira Revolução Industrial, potências emergentes e relação com o petróleo, BRICS, questões sociais, ambientais e urbanas e escassez de recursos naturais (da água principalmente).
  • CIÊNCIAS DA NATUREZA (QUÍMICA, FÍSICA E BIOLOGIA) – Química orgânica, reações e reagentes, radioatividade, termoquímica, cinética, chuva ácida, efeito estufa e propriedade coligativas. Cinemática e dinâmica dos movimentos  retilíneos e curvilíneos, fenômenos como dilatação e contração, hidrostática, reflexão da luz, estudo das ondas e acústica. A origem da vida e sua evolução, seleção natural, fisiologia vegetal e animal, fluxo de energia nos diferentes ecossistemas, populações e comunidades.
  • LINGUAGENS (LÍNGUA PORTUGUESA, LITERATURA, LÍNGUA ESTRANGEIRA, ARTES, EDUCAÇÃO FÍSICA E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO) – Leitura e interpretação textual, emprego de conjunções e preposições, contextualizações e  inferência de significados, regência verbal e nominal, voz ativa e passiva e figuras de linguagem, semântica. Principais expoentes dos movimentos literários brasileiros, europeus e autores em destaque na língua portuguesa em geral. Recursos argumentativos e dissertativos. A era da comunicação e a revolução no compartilhamento de informações.
  • MATEMÁTICA  – Porcentagem, polinómios e equações polinomiais, funções trigonométricas, sequências, PA e PG, comparação e interpretação de funções, tabelas e gráficos, logaritmos, seno e cosseno.

Elabore um mapa da prova

Você já pesquisou sobre a banca, já selecionou o material, leu e resolveu as provas anteriores, e percebeu quais são os assuntos mais recorrentes, certo? O dia do vestibular se aproxima e você domina bem o conteúdo e sua abordagem. Tudo bem: agora é hora de experimentar algo que exercitará sua criatividade e deixará evidente os pontos que ainda têm dúvida.

Quando estiver acostumado com a banca e tiver percebido quais os assuntos que se repetem ano após ano, reserve um dia para elaborar um mapa da prova. É isso mesmo, faça um resumo ou esquema baseado nos conteúdos e propostas que provavelmente irão cair e se dedique a estudar por ele, inclusive com os prováveis temas da redação.

Esta é uma boa forma de fechar o ciclo de estudos e medir sua preparação! Quanto mais completa a proposta e mais argumentos você tiver para sustentar sua projeção, melhor preparado está.

Estudar para o vestibular demanda perseverança

Se você passou por todos esses passos, está de parabéns e muito provavelmente obterá sucesso em sua empreitada! Sinta-se seguro com relação ao conhecimento que possui e tente se manter positivo, pois uma postura otimista facilitará o processo preparatório e o ajudará a manter o foco no dia da prova.

Lembre-se, ainda, de que a preparação por meio da resoluções de provas antigas é um método complementar de estudar para o vestibular que de forma alguma exclui ou diminui a importância dos outros.

Nossas dicas e ideias ajudaram você? Percebeu aspectos que podem ser otimizados em seus estudos? Então siga-nos nas redes sociais e fique por dentro de nossas outras publicações!

Sobre UniBH

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *