Por que aprender um novo idioma pode alavancar sua carreira?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Aprender um novo idioma ainda é um grande diferencial para o seu currículo. Além disso, compreender uma nova língua é uma conquista pessoal, capaz de aumentar sua autoconfiança. Você ainda tem mais condições de conseguir a aquela vaga de intercâmbio se já estiver preparado desde cedo.

Interagir com outras culturas é mais um benefício, seja dentro ou fora de seu país. Aumentar seu vocabulário é um ótimo efeito colateral deste poderoso exercício para o cérebro.

Mas, se você ainda não estiver convencido, leia nosso texto de hoje.

Quais os motivos para aprender um novo idioma?

Aprender um novo idioma abre sua mente para experiências e para possibilidades. Conhecer uma nova cultura, viajar pelo mundo e experimentar seus sabores é muito mais fácil quando a gente fala a língua do país que está nos recebendo.

Além disso, depender o tempo todo de serviços de tradução pode te deixar na mão, mesmo que você conte sempre com seu smartphone.

Em testes com falantes nativos de inglês, a revista Annals of Neurology realizou uma pesquisa ao longo dos anos, comparando aqueles que aprenderam um novo idioma com os que falavam só uma língua.

O resultado foi que pessoas bilíngues tinham maior desempenho, também, em boa parte das atividades cognitivas avaliadas. Áreas como a memória, o raciocínio e a imaginação são incentivadas quando entramos em contato com novas informações, Viu como se tornar um bom falante pode garantir até pontos no QI?

A explicação para isso é muito simples: quando nosso cérebro recebe informações, ele aumenta a velocidade com que realiza conexões entre os neurônios e também o número das conexões realizadas. Assim, como uma rede, o conhecimento é construído da mesma forma com que nossas habilidades são ampliadas a partir do aprendizado.

O interesse em novas culturas pode te ajudar a aprender como tocar um instrumento musical e facilita na hora de ver aquele seriado cuja dublagem sempre te incomodou. Falar a língua das pessoas também é importante na construção de relações interpessoais. 

Por onde começar a aprender um novo idioma?

Hoje, no colégio, a maioria de nós é introduzido ao inglês e ao espanhol desde cedo. Cada vez mais presentes nas grades curriculares, os idiomas fazem parte de nossa rotina: o inglês, principalmente pela cultura que consumimos, enquanto o espanhol é falado pela maioria de nossos países vizinhos.

Estes dois são os mais presentes, também, nos currículos dos profissionais. Mas, se você quer se destacar de verdade, talvez seja hora de pensar fora da caixa. Quando for escolher um idioma para aprender, é bom levar em consideração suas aptidões e, também, as aplicações práticas da língua em questão.

Se pretende estudar design, por exemplo, o italiano pode a melhor escolha. O idioma predomina nas aulas de alguns dos melhores cursos da área no mundo, não apenas na Itália. Entender a aplicação que será dada ao idioma assimilado vai lhe guiar em como focar os estudos.

Para garantir vocabulário, o estudante deve procurar materiais que vão muito além do que os cursos oferecem. Estes assuntos devem ser, de preferência, relacionados a temas de seu interesse.

Quando gostamos do assunto, devoramos um livro bem mais rápido, não é? Use interesses a seu favor na hora de selecionar seus objetos de estudo.

Qual língua devo aprender?

Não existe resposta certa para essa pergunta. Memorize quantas tiver oportunidade — ou curiosidade. Assim como em outras áreas de conhecimento, quanto mais estudamos, melhores ficamos nisso. Boa parte dos idiomas atuais vem de matrizes comuns e esse conhecimento é fundamental antes de fazer sua matrícula.

Línguas como o português, o italiano, o espanhol e o francês compartilham entre si a característica de derivarem do Latim. Essa raiz em comum torna os idiomas fáceis de aprender para quem já é nativo de um país com língua latina. Por isso, o espanhol nos parece tão fácil.

O inglês, por sua vez, é um idioma anglo-saxão, o que explica a dificuldade inicial de alguns alunos, seja para entender a estrutura frasal, seja para compreender a pronúncia. Por ter uma matriz tão diferente das línguas latinas, o mesmo alfabeto soa de forma tão distinta que a pronúncia acaba sendo um desafio. Línguas como o russo e o polonês vêm do cirílico e são escritas neste alfabeto.

Já os idiomas orientais como o mandarim, o coreano e o japonês são escritos com símbolos que se parecem com desenhos, mas são, na verdade, ideogramas (traços e linhas com significado semântico além da mera tradução de fonemas). Esta dinâmica era muito comum para os egípcios que representavam sílabas com ilustrações (logogramas).

Idiomas grafados da esquerda para a direita podem ser um desafio para quem está acostumado ao contrário. Outras línguas orientais compartilham essas características, mesmo vindo de origens bem diferentes. É o caso do árabe e do hebraico, que são línguas semíticas e que têm raiz comum, mas acabaram vindo a ser o idioma de povos e culturas bem diferentes.

Posso aprender online?

Investir em cursos de idiomas pode ser um gasto alto e constante, por isso, é preciso considerar as alternativas disponíveis para que a melhora da sua proficiência não pese tanto no bolso.

Algumas ferramentas online de ensino podem te ajudar a dar o pontapé inicial e identificar se escolheu o idioma certo. Elas podem não conseguir substituir completamente um professor, mas auxiliam a fixação do conteúdo aprendido em classe e podem ser usadas de maneira paradidática.

Para aqueles que têm facilidade com o domínio de outras línguas, estas práticas podem ser ideais para aprender sem sair de casa e no seu tempo. O Duolingo, por exemplo, é uma plataforma interativa de aprendizado em que você é guiado por miniaulas e jogos para fixar os conhecimentos de um idioma.

O busuu é a maior rede social de idiomas do mundo, apostando na interação entre pessoas para ensinar línguas. Já o Livemocha foca no aspecto acadêmico e possui a maior quantidade de conteúdo, dentre os citados, para quem quer aumentar o que sabe ou se conectar a uma cultura completamente diferente.

Não importa em qual você escolheu se instruir. Essa jornada vai ser recompensada no futuro, seja com a oportunidade da sua vida ou com a leitura de um livro muito bom, que jamais seria traduzido pro português. Aonde seu conhecimento vai te levar, só depende da sua dedicação.

Já começou a pensar em qual idioma vai aprender primeiro? Não deixe de contar pra gente nos comentários.

Sobre UniBH

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *