Tudo o que você precisa saber sobre o novo surto de H1N1!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Com a chegada do outono, é comum as gripes e os resfriados ocorrerem com maior frequência, mas o que tem causado grande preocupação na população é que o atual surto de gripe sofreu uma antecipação em comparação aos anos anteriores, e muitos casos de contaminação pelo vírus H1N1 já foram confirmados em pelo menos 11 estados brasileiros.

A todo instante, estamos expostos, seja no trabalho, nos trajetos em que utilizamos os transportes públicos, em restaurantes ou em supermercados. Praticamente em todo lugar, o contato com outras pessoas — direta ou indiretamente — é inevitável, e com isso, as possibilidades de contágio são inúmeras.

Devido a toda essa exposição, precisamos estar atentos e preparados para enfrentar uma epidemia. Confira abaixo tudo o que você precisa saber sobre o novo surto de H1N1!

O surgimento da gripe H1N1

A gripe é causada pelo vírus influenza, que basicamente se subdivide em 3 tipos:  A, B e C. O vírus do tipo A sofre constantes transformações na natureza e se classifica em diversos subtipos, sendo o H1N1 apenas um deles.

Conhecido antigo da humanidade, o H1N1 foi responsável pela pandemia de 1918, chamada de Gripe Espanhola, considerada uma das piores pandemias de todos os tempos, responsável por milhões de mortes — o que correspondia, na época, a quase um terço da população mundial.

Em 2009, o vírus que afetava os porcos sofreu uma mutação genética, e passou a infectar os humanos, originando uma nova pandemia de H1N1. O primeiro caso ocorreu no México e a doença se destacou na mídia como Gripe Suína, repercutindo rapidamente em todo o mundo.

O vírus do tipo B não é tão popular quanto o anterior, por ter menor potencial para causar epidemias. Contudo, em alguns casos, o paciente pode desenvolver complicações graves, o que faz deste tipo viral também um agente perigoso.

Juntos, os vírus influenza do tipo A e B são os maiores causadores de gripe no mundo, diferentemente do vírus tipo C, que pode causar leves problemas respiratórios e raramente apresenta sintomas, passando, muitas vezes, despercebido pelo indivíduo infectado.

O contágio pelo vírus da gripe pode ser evitado

Considerada uma doença altamente contagiosa, a gripe pode ser transmitida de pessoa para pessoa, e a disseminação ocorre principalmente pelo ar, quando o indivíduo contaminado fala, espirra ou tosse, lançando no ar gotículas repletas de vírus.

O compartilhamento de objetos manuseados por pessoas doentes também oferece alto risco, já que há grande possibilidade de contágio, por meio do contato direto das partículas virais com as mucosas (olho, nariz e boca) do indivíduo sadio.

Para reduzir a possibilidade de transmissão do vírus, recomenda-se ao indivíduo infectado proteger a boca e nariz ao espirrar ou tossir. Além disso, lugares fechados, com aglomeração de pessoas e ar-condicionado são ambientes mais propícios para propagação da doença, por isso, devem ser evitados.

Vale lembrar que é de extrema importância lavar as mãos com água e sabão, diversas vezes ao dia, e quando isso não for possível, é indicado ter sempre por perto álcool em gel, pois oferece alto poder antisséptico e pode ser utilizado tanto para limpeza das mãos como dos objetos .

Os efeitos da gripe H1N1 no organismo

Após o contágio, o período de incubação do vírus no organismo pode variar de 3 a 5 dias, quando então iniciam-se as manifestações dos sintomas, e nessa fase, o paciente já se tornou um transmissor da doença. É possível que uma pessoa tenha gripe de forma assintomática, sem apresentar nenhuma reação, o que não impede que o vírus seja transmitido.

Os sintomas da gripe H1N1 geralmente são os mesmos da gripe comum, ou seja, dores musculares e nas articulações, dor de cabeça, calafrios, febre acima de 38°C, fadiga, irritação dos olhos, congestão nasal, coriza, dor de garganta e, até mesmo, manifestações gastrointestinais.

Porém, o fator preocupante é que, além dos sintomas se manifestarem de forma mais intensa neste tipo de gripe, há maior risco de infecção nos pulmões, o que, muitas vezes, pode desencadear a evolução da doença para pneumonia.

A forma mais grave da gripe H1N1 pode se desenvolver com mais facilidade em pessoas com maior fragilidade do sistema imunológico. São mais suscetíveis os idosos, crianças menores de 2 anos, gestantes ou portadores de doenças crônicas como diabetes, obesidade, câncer e AIDS.

A prevenção contra o surto de H1N1

Para controle do surto, anualmente, o Ministério da Saúde promove a campanha de vacinação, e quem pretende se vacinar na rede pública deve estar atento ao cronograma, pois com a antecipação do surto, a procura pela vacina deve ser maior do que nos anos anteriores.

Atualmente, existem dois tipos de vacina no Brasil, e ambas oferecem cerca de 70% de eficácia contra a gripe, incluindo a do tipo H1N1. Importante destacar que o efeito não é imediato, e partir de 2 ou 3 semanas após a imunização, o organismo já começa a produzir anticorpos.

A vacina trivalente tem eficácia contra 3 tipos de vírus, sendo 2 do tipo A (H1N1 e H3N2) e 1 do tipo B (Brisbane). Esta vacina pode ser encontrada na rede pública, em postos de vacinação e unidades básicas de saúde, porém está disponível apenas para o grupo prioritário (idosos, crianças com até 5 anos de idade, gestantes, portadores de doenças crônicas, presidiários e profissionais da área da saúde). Quem não pertencer a este grupo e tiver interesse em tomar a vacina, pode encontrá-la em clínicas e laboratórios particulares.

Outro tipo de vacina disponível é a tetravalente, que oferece proteção contra 2 vírus do tipo A (H1N1 e H3N2) e 2 vírus do tipo B (Brisbane e Phuket), e pode ser encontrada apenas na rede particular.

Havendo a contaminação, o médico poderá realizar alguns exames clínicos e laboratoriais para diagnosticar a doença, e o tratamento geralmente prevê o uso de antivirais, analgésicos e antitérmicos, além de repouso, alimentação adequada e ingestão de líquidos, até que se observe a melhora completa do paciente.

Manter-se informado é a melhor maneira de enfrentar as epidemias e fugir da contaminação! Clique aqui e veja os detalhes sobre o Zika vírus, outro vilão da atualidade que tem causado grande preocupação na população do Brasil e do mundo!

E aí? Quer dar um passo além e fazer parte do grupo de pessoas que ajuda quem está com a doença? Então, que tal ficar por dentro de tudo o que você precisa saber sobre o vestibular de Medicina?

Sobre carlos.camara

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *